Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cuidado com a Ampulheta

Lembrando que: Sempre desconfie das segundas. Sejam elas feiras, chances ou intenções.

2830

"Um príncipe, então, sendo obrigado a saber lutar como um animal, deve imitar a raposa e o leão, pois o leão não sabe proteger-se das armadilhas, e a raposa não consegue defender-se dos lobos. O príncipe, portanto, deve ser uma raposa para reconhecer as armadilhas e um leão para assustar os lobos." - Maquiavel, em O Príncipe.

'je ne sais quoi'

por Cláudio Estigma Bastos, em 09.03.18

tumblr_om738trVvd1r352jbo1_500.png

(ylf)Laura seria mais tarde aquele tipo de mulher  independente que vive numa cidade que eu nunca vi, com olheiras disfarçadas com uma maquilhagem leve. Inicia o seu dia no trânsito depois de algo muito saúdavel como primeira refeição do dia , a ouvir um qualquer programa matinal na radio ou playlist já gravada.
Mas por agora é apenas Laura - a adolescente. Este estado e situação cronológica simplifica em muito, porque essa historia sobre "Laura - a adulta" é para outra altura, é outro capitulo, e a Laura de 17 anos é muito mais interessante.

Antes demais, a Laura - a adolescente - de cabelo moreno corpo invejável era a perdição de qualquer rapaz. Chegavam a surgir quase como que lendas, que seria possivel apaixonar qualquer um num momento desprevinido, como por exemplo, olhar para os dois lados da rua para atravessá-la e por acaso o olhar do pobre coitado cruzar-se com o rosto dela. Tal lenda surgiu depois desse azar ter acontecido ao Pedro.

Mas nao precisam preocupar-se com ele, já nao está entre nós. Teve uma paixão curta , de segundos por Laura, até que foi atropelado por um autocarro. Passaram-se mais de 10 anos e ate hoje se fazem piadas acerca de como Laura seria tão linda que o rapaz "apanhou" o autocarro errado.
Curioso realmente foi que ela nem reparou no incidente, ia em direcção à escola , nem reparou no Pedro enquanto ele era arrastado 20 metros pelo alcatrão - só soube da história no fim do dia imagine-se. Estou a brincar. O Pedro está vivo, mas a Laura foi o maior atropelo em passadeira registado pelos eruditos do secundário.
Ela era do tipo de rapariga "muuuuuuuuuuuuuuito" inteligente, a sério, mas também daquelas que não tem inteligência para as coisas práticas, como o certo e o errado, relacionar-se com outras pessoas, amizades , inveja de terceiros e rapazes..
Haviam dois tipos de rapazes que a podiam conquistar, sempre atraentes e/ou inteligentes com uma boa capacidade de diálogo, ou extremamente burros mas com alcool ou droga para a manterem num estado de quase transe para que ela não repara-se. Sim eu sei, acabei de descrever todas as adolescentes do mundo, mas é assim que me lembro dela naquela altura.

Pedro , ou "Peter Pan" - como ela o chamava - ainda hoje a refere como "a que escapou".
O garanhão, adolescente, o "rapaz da banda", o "rapaz da escrita" e o "rapaz do ginasio".. ah! E fotografo.
Tanta coisa no mesmo gajo graças a Deus disfarçavam a sua falha de carácter em relacionamentos e uma incapacidade quase incompreensivel de praticar fidelidade.

Havia uma coisa em comum nestas duas pessoas:
A crença de que com a idade, o sangue deixa de circular no corpo da mesma forma e porque o pulsar nas veias é mais fraco , o coração fica mais
fraco, as células multiplicação-se mais lentamente vêm as responsabilidades e rotinas , os cabelos brancos e nesse entretanto e o coração morre - o coração , porque o corpo aguenta-se mais umas décadas , vagueando pela terra como carcáças ocas com o olhar sem brilho.
Sem grande romântismo ate agora e ja tao perto do fim? pois..

Conheceram-se, apaixonaram-se e tudo mudou . Mudou durante meses até que aconteceu o obvio - deu merda. Houve orgulho para pedir perdão , orgulho para perdoar, medo da opinião dos outros e o tempo correu, a escola terminou e veio o primeiro emprego, as primeiras responsabilidades e o inicio daquilo a que chamamos de "carreira" e "o teu futuro" do qual falamos aos nossos filhos sem lhes admitirmos o quão vazia é essa ideia é. Foi por essa altura o coração morreu. Essa cara de quem deu pela falta de algo, esse 'je ne sais quoi' de Laura , 'je ne sais quoi' de Pedro.

O Pedro tinha medo que o coração dele parasse quando ele crescesse e a Laura chamava-lhe "Peter Pan" por isso. O Pedro não queria crescer e eu também não.   

(nogard)

 

quinta-feira, 15 de Abril de 2010